Carnaval não é feriado

Brasil

carnaval2 Carnaval não é feriado

É provável que o seu chefe não vá obrigar você a trabalhar na terça-feira de carnaval. Mas bem que ele poderia, se quisesse. Afinal, carnaval não é feriado oficial no Brasil.

Há, inclusive, relatos de empresas multinacionais que ignoram a tradição de séculos e botam seus funcionários no batente enquanto todo mundo está curtindo a folia.

A TV Justiça (veja ao lado) realizou uma entrevista com um jurista que explica isso tudo bem claramente.

O problema não é a folga. Essa quase todo mundo consegue. Bancos, por exemplo, fecham na sexta à tarde e só reabrem após o meio-dia da quarta-feira de cinzas. O complicado é que você pode ter algum desconto em banco de horas extras. E se trabalhar no carnaval, não adianta pedir que o salário daquele dia seja dobrado. Em São Paulo uma funcionária de companhia telefônica entrou na Justiça para pedir indenização e não levou, como conta a Folha:

Para os juízes, os funcionários de empresas não precisam trabalhar apenas em feriados definidos em lei, o que não é o caso da terça-feira de Carnaval.

O site Guia Trabalhista tem uma explicação bem completa. Uma lei de 1980 e outra lei de 2002 estabelecem que os feriados nacionais são os seguintes:

  • 01 de janeiro: Confraternização Universal – Ano Novo
  • 21 de abril: Tiradentes
  • 01 de maio: Dia do Trabalho
  • 07 de setembro: Independência do Brasil
  • 12 de outubro: Nossa Senhora Aparecida
  • 02 de novembro: Finados
  • 15 de novembro: Proclamação da República
  • 25 de dezembro: Natal

Os municípios podem estabelecer outros quatro feriados, por conta própria. Isso inclui, geralmente, a Sexta-Feira da Paixão, e nada impede que um município tenha decretado o carnaval como recesso oficial. O Guia Trabalhista comenta:

Partindo desse pressuposto, se não houver uma lei municipal estabelecendo que o carnaval seja feriado, o trabalho neste dia será normal e o não comparecimento ao trabalho, acarretará prejuízos salariais ao empregado. Haverá prejuízo da mesma forma no caso da quarta-feira de cinzas.

Comente este artigo!

Obama é maçom?

Gente, Internacional
ObamaPointing Obama é maçom?

Brother Obama?

A especulação começou ainda em março de 2007, quando o “jovem” – para os padrões da política – Barack Obama começou a despontar como um candidato forte à eleição presidencial norte-americana: “para ascender tão rapidamente, só pode ser maçom”.

A primeira referência foi feita por um membro anônimo de um fórum online, afirmando que seu informante “sentou-se ao lado de Obama numa loja maçônica“.

Num país onde a paranóia e as teorias conspiratórias parecem ter solo mais fértil que em qualquer outra parte do planeta, não demorou para o boato crescer a ganhar corpo. Ouvi essa história de que o Obama é maçom há algumas semanas, aqui no Brasil, e resolvi investigar.

Levando em conta que a maçonaria é uma organização envolta em mistérios, que não faz nenhuma questão de divulgar detalhes sobre suas reuniões e sobre seus membros, fica fácil para a criatividade das pessoas aflorar. Afinal, nenhum membro vai tomar a iniciativa de rebater todas as maluquices (e algumas verdades) que se publica sobre a maçonaria.

O que muita gente fala na internet é que Barack Obama é um maçom de grau 32, dentro da maçonaria Prince Hall.

As lojas Prince Hall levam o nome de seu fundador, um um militar negro que atingiu o grau 33 (máximo) em 1775, na cidade de Boston. Ao longo da história dos EUA, a segregação racial tornava muito difícil a participação de negros nas lojas tradicionais. Por isso a Prince Hall ganhou espaço e hoje continua reunindo majoritariamente maçons afro-americanos.

A Prince Hall segue o rito escocês e, portanto, tem mesmo 33 graus para serem galgados por seus intregantes. É tecnicamente possível que Obama seja um maçom grau 32 dentro de uma “maçonaria para negros”.

É tecnicamente possível, mas também muito difícil encontrar provas de que isso seja verdade.

Dê uma olhada nas fotos abaixo:

obamagesto Obama é maçom?

Gestos para a a plateia

i love you Obama é maçom?

"Eu amo você"

Vocês acham que ele está avisando para o eleitores que que é maçom, com um gesto associado à ordem ou ele estaria dizendo “I love you” para alguém na plateia, usando a língua de sinais?

Agora que o livro “O Símbolo Perdido“, de Dan Brown está no topo da lista dos mais vendidos, a maçonaria virou assunto da moda. E misturar a sociedade secreta com o homem mais poderoso do mundo é um prato saboroso e intrigante para muita gente que gosta de teorias mirabolantes. De fato, 14 presidentes dos EUA eram maçons, incluindo o fundador da nação, George Washington. Isso ajuda a reforçar o elo entre o ocupante da Casa Branca e a organização secreta.

O fato que de uma loja maçônica promoveu um baile para comemorar a posse de Obama não ajudou muito e alimentou as suspeitas. Na noite de 20 de janeiro de 2009, o presidente e a primeira-dama compareceram a 10 bailes, mas não foram ao maçônico.

forum Obama é maçom?

Forum da campanha

Ainda na época da campanha, o site de Barack Obama (que reunia e registrava milhares de manifestações em favor do candidato) teve um dos posts do seu fórum ilustrado com símbolos maçônicos. Eram membros da Prince Hall relatando que estavam engajados na eleição do democrata negro. Encontrar uma estrela maçônica, compasso e esquadro postados no fórum público já foi o suficiente para uma publicação cristã fundamentalista afirmar que Obama é maçom.

Outra “prova” que é apresentada com frequência é o aperto de mão. Obama, em alguns momentos, teria revelado sua identidade maçon ao cumprimentar determinadas pessoas. A colocação das mãos indicaria o grau do maçon. O polegar pressionando determinado espaço entre os nós dos dedos seria a senha para informar o grau do indivíduo dentro da maçonaria.

fcreal Obama é maçom?

Este vídeo, editado durante a campanha presidencial, tenta convencer o internauta a não votar no maçom Obama, devido a um revelador aperto de mão com o apresentador Bob Schieffer:

Essa outra foto, do jovem Obama recebendo um prêmio também é apresentada como prova:

obamahandshake Obama é maçom?

Obama recebe diploma de formatura

Quando o pré-candidato Barack Obama fez campanha e discursou numa loja de rito escocês em Des Moines, o evento foi relatado pelo jornal The Boston Globe e pelo Des Moines Register. Aparentemente, vários sites de cristãos conservadores citaram o repórter do Des Moines Register de maneira errada. As transcrições da matéria que foram publicada seriam assim:

Jason Clayworth, repórter, escreveu que “Um de seus membros mais famosos, e também um membro de grau 32 da maçonaria Prince Hall, se tornou um candidato à presidente para 2008. Seu nome é Barack Hussein Obama.”

A transcrição foi contestada, já que o repórter nunca teria escrito aquelas palavras e nunca teria associado Obama diretamente à maçonaria.

A maior controvérsia pipocou em junho de 2008, quando um artigo da renomada revista Newsweek estampou uma enorme foto do que seriam as mãos de Barack Obama ajeitando o brasão da presidência da República.

newsweek Obama é maçom?

Foto de Charles Ommanney/Getty Images na revista Newsweek

Na mão direita há um vistoso anel maçônico.

obama ring 3 Obama é maçom?

Um inegável anel maçônico, com o compasso e o esquadro

A questão toda é: quem prova que essa é mesmo a mão de Barack Obama? Duvido muito que seja. Ninguém pode provar qualquer relação.

A própria legenda, na revista, não afirma que aqueles dedos são de Obama. Diz apenas “The president’s official seal is set”, ou seja “O selo oficial do presidente está arrumado”.

Na foto, o terno é de tweed e o relógio muito diferente daquele que Obama costuma usar. Uma imagem dessas, produzida, em uma revista como a Newsweek é – com certeza – cuidadosamente planejada. Pode-se questionar a intenção dos editores ao colocarem discretamente um anel maçônico numa mão negra numa matéria sobre Obama. Mas daí a usar isso como prova de que o presidente dos Estados Unidos é um maçom, creio que seja um salto grande demais.

Para completar, um pouco raciocínio lógico: Obama não surgiu em 2008, “do nada”. Ele já era uma figura pública reconhecida há tempos. Mesmo em épocas em que ele não era tão famoso, nunca houve nenhum registro de que ele frequentasse encontros maçônicos. De fato, um artigo publicado pela loja de British Columbia e Yukon (no Canadá) diz que nem a Grande Loja de Illinois nem a Grande Loja Prince Hall de Illinois (estado de origem de Obama) têm qualquer registro de que ele ingressou na ordem.

A Grande Loja Prince Hall de Michigan publica uma lista de maçons negros famosos – que inclui o empresário do boxe Bon King e o cantor Nat King Cole. Em nenhum momento alguém faz menção a Barack Obama.

Aproveitando, mais uma vez, a esteira do sucesso de O Símbolo Perdido a CNN veiculou em outubro uma reportagem sobre os maçons e sua presença dentro do Congresso norte-americano.

Mesmo que alguns congressistas não gostem de falar sobre o assunto, sua condição de membros da maçonaria é pública. Alguém acredita que Obama chegaria à presidência sem que sua participação nesta organização fosse notória e amplamente conhecida? Citando a jornalista Rita Marshall:

“A maçonaria, especialmente na América do Norte, é muito mais aberta do que muita gente pensa. A filiação a uma loja maçônica não é um segredo. Nomes dos membros podem geralmente ser encontrados nas paredes das salões maçônicos, onde a presença do público externo é comum. (…) Maçons identificam-se com anéis, gravatas, adesivos nos carros e marchas pelas ruas.”

Se Obama fosse maçom, será que não haveria alguma foto dele – em qualquer momento do passado – participando de alguma atividade pública, com identificação clara de sua filiação?

63 comentários

Assentos mais perigosos em um ônibus

Mundo

Post atualizado em 07 de novembro

acidente luciana viver a vida Assentos mais perigosos em um ônibus

Modelo fica tetraplégica em acidente de ônibus na novela Viver a Vida

Quem viu o acidente de ônibus na novela Viver a Vida, da Rede Globo, na última quinta-feira ficou impressionado com o realismo da cena. O veículo capota no meio do deserto na Jordânia e a modelo Luciana, interpretada por Alinne Moraes, termina tetraplégica.

Aposto que muita gente ficou se questionando sobre os riscos de viajar de ônibus. Afinal: que poltrona escolher, para aumentar as chances de sobrevivência num acidente?

bus accident Assentos mais perigosos em um ônibus

Indianos curiosos cercam ônibus acidentado

Você viaja de ônibus, não viaja? Todo mundo viaja. Eu o faço com frequência. Na hora de comprar a passagem sempre penso: em caso de acidente, qual será a poltrona onde eu corro menos risco?

Eu descobri e vou contar. Mas antes é preciso explicar algumas coisas.

A primeira (até meio óbvia) é que acidente de ônibus não tem nada a ver com avião. Estatísticas mostram que é perfeitamente possível sobreviver à maioria dos acidentes de ônibus. Num desastre aéreo, chances só existem em caso de a aeronave pegar fogo em solo (ou num pouso forçado). Caso você esteja interessado, saiba que os assentos mais seguros em um avião são os “do corredor, na parte dianteira, nas cinco fileiras mais próximas de uma saída de emergência”. O estudo foi feito por uma universidade britânica e está publicado no Times Online. O resultado tem a ver com o comportamento desesperado e o fluxo das pessoas no caso de uma evacuação.

Mas nós viemos aqui para falar de ônibus, e não de aviões!

Encontrei um artigo muito interessante (em PDF), publicado pela revista National Bus Trader, nos EUA. Ele explica dois itens de segurança nos ônibus de longo curso (ignorando os bagunçados e abarrotados ônibus urbanos):

  • Compartimentalização: pelas pesquisas feitas por empresas de segurança, o mais importante para garantir a vida dos passageiros é essa tal de compartimentalização. A ideia é garantir que a pessoa esteja automaticamente dentro de uma “célula de sobrevivência” ao sentar-se. Ônibus com encostos altos, tetos rebaixados e com braços nas poltronas garantem que ninguém seja arremessado para a frente ou para o fundo do ônibus em caso de colisão. O artigo comemora que os padrões das indústrias já se aproximam bastante do ideal. Apesar disso, é preciso estar atento para a forração traseira de cada poltrona. Ela precisa ser bem acolchoada para absorver o impacto dos joelhos e do rosto do viajante que senta atrás.
    banco Assentos mais perigosos em um ônibus

    Cinto de 3 pontas: o ideal

    A vantagem da compartimentalização como medida de segurança é que ela existe por si só e não depende de uma ação do usuário, como afivelar o cinto.

  • Cinto de segurança: um cinto de duas pontas – o único tipo que eu vejo nos ônibus brasileiros – tem utilidade questionável. Em caso de colisão, ele serve como uma espécie de alavanca, prendendo a cintura do passageiro, permitindo que a cabeça se choque com velocidade ainda maior na poltrona da frente. No caso de uma capotagem, vidros laminados e resistentes seriam muito mais eficientes para garantir que ninguém fosse jogado para fora.

Pesquisas mostram que 60 a 70% dos acidentes de ônibus são colisões frontais.

“Um fato frequentemente negligenciado é o de que ônibus são – na maioria das vezes – mais pesados que outros veículos numa estrada, exceto por caminhões pesados. Ônibus intermunicipais geralmente tem 10 vezes a massa de um automóvel. Além disso, as forças em uma colisão refletem a velocidade dos veículos envolvidos. Portanto, um ônibus de 18 toneladas vai destruir um carro de 1,8 tonelada. Essas diferenças fazem com que ônibus tenham índice de segurança extremamente superior ao dos automóveis.”

Procurei dados nas páginas da ANTT, da CNT, de universidades e não encontrei nenhuma estatística brasileira sobre os assentos mais seguros e os mais perigosos em um ônibus. (Será que eu deveria me admirar por essa ausência de pesquisas?)

A imprensa também não costuma prestar atenção a esse detalhe na hora de relatar acidentes com ônibus. Fica difícil fazer qualquer projeção usando como base sites de notícias.

Foi num relatório europeu que encontrei a resposta para minha pergunta. O estudo foi apresentado em uma reunião da Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa, entre as discussões sobre normas de segurança em veículos.

Os autores fizeram uma compilação de estatísticas em países como Alemanha, Espanha e Hungria. Como sorte, casualidade e tragédia não respeitam fronteiras, acredito que os dados podem ser levados em conta quando você estiver ali no guichê da rodoviária, comprando aquela passagem para visitar a avó que mora em Teófilo Otoni.

  • Colisões frontais severas (com veículos pesados e objetos) correspondem a apenas 6 a 18% dos acidentes
  • Capotagem são apenas 3 a 8% dos acidentes com vítimas
  • Em 72% das colisões, o motorista do ônibus morre ou fica ferido

E agora o mais interessante: um estudo feito com a análise de sete acidentes ocorridos em rodovias espanholas.

onibus Assentos mais perigosos em um ônibus

As poltronas que tem risco extra em caso de colisão frontal são, em ordem crescente:

A – assentos atrás das escadas (sem assentos à frente)
B – assentos na primeira fileira
C – acompanhante do motorista
D – motorista

Numa escala de  1 a 4, as poltronas A, B2 e B3 tem risco 1. Não oferecem retenção, no caso de o passageiro ser arremessado para frente.

Poltronas B1 e B4 têm risco 2. Estão numa região que pode ser atingida mais facilmente por afundamentos dos cantos da carroceria do ônibus.

Poltrona C, do acompanhante do motorista é de risco 3. Assim como em B1 e B4, o passageiro está dentro da “zona de deformação direta” e ainda pode ser ejetado para fora do veículo, através do vidro dianteiro.

Poltrona D, do motorista, tem risco 4, risco máximo. Além das possibilidades às quais está exposta a poltrona C, o lado esquerdo do veículo está mais sujeito às colisões que o lado direito.

Depois de tantas leituras, minha conclusão é a seguinte:

  • Nunca aceite um emprego de motorista de ônibus
  • Não viaje junto com o motorista, nem perto dele
  • Não afivele o cinto, se for de duas pontas
  • Peça uma poltrona a partir do número 27
  • Peça uma poltrona na parte direita do ônibus

Os assentos que correspondem a todos os critérios acima são:

27-28, 31-32, 35-36, 39-40, 43-44, 47-48

24 comentários

Olhos sanpaku

Gente

Post atualizado em 03 de setembro

Na época em que o Michael Jackson morreu, muita gente lembrou que ele tinha “olhos sanpaku”.

Sanpaku é uma palavra em japonês que significa “três brancos” e define os olhos onde a área branca do globo fica visível também na região inferior ou superior, entre a íris e a pálpebra.

kennedy1 Olhos sanpaku

Presidente John Kennedy tinha olhos sanpaku

Ok. Pessoas com olhos sanpaku existem. A questão é saber se isso é sinônimo de alguma coisa.

michaeljacksonsanpaku Olhos sanpaku

Sanpaku em "Moonwalker"

Uma amiga do meu amigo e colega Cristiano Dalcin diz que os sanpakus são amaldiçoados, morrem cedo e de maneira trágica. É o que teria acontecido com Michael Jackson, princesa Diana e John Kennedy, por exemplo.

Numa abordagem mais “científica”, encontrei várias fontes relacionando a condição sanpaku com um “grave estado de desequilíbrio físico e espiritual”.

Foi o livro “Sois todos sanpaku“, do japonês George Ohsawa, criador da macrobiótica, que trouxe para o ocidente o conceito de sanpaku. A publicação afirma:

O sanpaku perdeu o contato consigo mesmo, com seu corpo e com as forças naturais do universo. Os sintomas do sanpaku podem ser reconhecidos como fadiga crônica, baixa vitalidade sexual, reflexos ruins, mau humor, incapacidade de dormir bem e falta de precisão nos pensamentos e ações. A macrobiótica é a maneira simples e natural de corrigir a perigosa condição sanpaku e criar um estado de saúde, harmonia e bem-estar, internos e externos.

A macrobiótica é baseada na antiga filosofia oriental das forças universais Yin-Yang. Em termos de bioquímica, se orienta na importante relação entre sódio e potássio no corpo.

Em resumo: para a macrobiótica, olhos sanpaku são um sinal de que as coisas vão mal, naquele momento ou período da vida da pessoa. Mas daí a dizer que trata-se de uma maldição? Pois há quem acredite que é isso mesmo.

O próprio George Osawa teria escrito um artigo no New York Times, prevendo a morte de John Kennedy, de seu irmão Bob, de Marilyn Monroe e de outras celebridades de Hollywood.

No mundo das artes, o tema sanpaku já ganhou várias referências. A mais bizarra é um jazz de gosto duvidoso do artista Michael Franks. Na música é possível ouvir um coral de backing vocals cantando “Sanpakuuuuuuu”. O lendário John Lennon também cantou sanpaku. Na canção Aisumasen (I’m sorry), aos 2:31, ele canta o próprio diagnóstico, algo que ouviu de Yoko Ono:

When I’m down, real sanpaku
And I don’t know what to do

Quanto estou triste, verdadeiro sanpaku
Não sei o que fazer

E as citações não param por aí. O glorioso cinema brasileiro também deu sua contribuição, com o filme “A Maldição do Sanpaku“, estrelado por Patrícia Pillar e Rogéria (!!!). A maldicao do sanpaku carta Olhos sanpakuPatrícia interpreta uma sanpaku, namorada de um bandido. Ele acredita que a condição dela traz sorte, mas o desenrolar da trama (assim como o título) mostram que não é bem assim.

Para ser ainda mais científico, é preciso dizer que existem dois tipos de sanpaku, em conexão com a filosofia Yin-Yang.

Os “yin sanpaku”, com o branco aparecendo abaixo da íris, seriam pessoas mais fragilizados, “suscetíveis a perigos de origem externa”. É nesta lista que estão os sanpakus mais famosos, aqueles que morreram tragicamente.

Os “yang sanpaku” teriam mais propensão de “gerar perigo”, ou seja: teriam temperamento explosivo e violento. Este seria o caso do assassino Charles Manson.

Não encontrei nenhuma explicação, mas o olho da providência, um símbolo maçônico que aparece na nota de 1 dólar também é sanpaku:

olhodaprovidenciasanpaku Olhos sanpaku

Olho da Providência, símbolo maçônico, também é sanpaku

Mas resta a pergunta: existe mesmo a tal madição dos olhos sanpaku? Quem os tem, morre cedo? Deixo a resposta na mão do caro leitor, com base na lista de personalidades.

É importante lembrar que nem todas as fotos de determinada pessoa mostram olhos sampaku. Em muitos dos casos abaixo, foi difícil encontrar fotos que “comprovassem” a condição sanpaku. Será mesmo que ela existia? Ou foi meramente uma casualidade, um ângulo diferente dos olhos em relação às lentes da câmera?

Gente que morreu jovem e/ou tragicamente:

sanpaku lincoln Olhos sanpaku

Abraham Lincoln, assassinado aos 56 anos

sanpaku johnkennedy Olhos sanpaku

John Kennedy, assassinado aos 46 anos

sanpaku michaeljackson Olhos sanpaku

Michael Jackson, morte súbita aos 50 anos

sanpaku lennon Olhos sanpaku

John Lennon, assassinado em 1980

sanpaku diana2 Olhos sanpaku

Princesa Diana, acidente de carro aos 36 anos

sanpaku bobkennedy Olhos sanpaku

Senador Bob Kennedy, assassinado aos 42 anos

sanpaku monroe Olhos sanpaku

Marilyn Monroe, overdose aos 36 anos

sanpaku indira Olhos sanpaku

Indira Gandhi, assassinada por dois guarda-costas

sanpaku ledger Olhos sanpaku

Heath Ledger, overdose aos 28 anos

maysa sanpaku Olhos sanpaku

Cantora Maysa, acidente de carro aos 40 anos

E agora alguns casos de sanpakus que não morreram, ou morreram idosos:

sanpaku julianapaes Olhos sanpaku

Juliana Paes, viva e gostosa, na novela das 8

sanpaku bettedavis Olhos sanpaku

Bette Davis, morreu aos 81 anos, num hospital

sanpaku manson Olhos sanpaku

Charles Manson, vivo. Um raro yin sanpaku (violento)

sanpaku cherieblair Olhos sanpaku

Cherie Blair, esposa do britânico Tony Blair

sanpaku jakobdylan Olhos sanpaku

Jakob Dylan, filho de Bob e vocalista do Wallflowers

william waack sanpaku Olhos sanpaku

William Waack, todas as noites no Jornal da Globo

E agora? Qual é o SEU veredito?

109 comentários

O avião da praça

Brasil, Geografia

Não são poucos os milhares de pessoas que passam todos os dias pela BR 116, em Canoas (RS), e que por consequência cruzam em frente ao avião que está lá, transformado em monumento, na praça às margens da rodovia. É daqueles pontos da paisagem urbana com o qual nos acostumamos e ao qual poucas vezes prestamos atenção por mais de alguns segundos.

praca O avião da praça

O avião visto pela foto de satélite, ao lado da BR 116 (Google Earth)

Numa das minhas passagens pelo local, me perguntei: “Afinal, que diabos de avião é esse? E quem foi que o colocou ali, se equilibrando sobre alguns pilares de concreto?”

A praça Santos Dumont (esse é o nome oficial da “Praça do Avião”) tem até verbete na Wikipedia. Portanto a pesquisa não foi das mais dificeis, mas acho que vale publicar as informações que satisfizeram minha curiosidade.

O avião é uma aeronave de combate inglesa, um F8 Gloster Meteor, doado à cidade pela Força Aérea Brasileira. O monumento é uma homenagem à importância da Base Aérea de Canoas ao desenvolvimento do município. O caça custou 214 toneladas de algodão (mas essa história eu explico mais adiante).

O vôo inaugural de um avião da série Gloster Meteor foi em 05 de março de 1943. Foi o único avião a jato dos Aliados a entrar em operação antes do final da II Guerra Mundial.

Em 1953 o governo brasileiro comprou 70 Gloster Meteor usados da Força Area Britânica (60 do modelo F8, incluindo o que está na praça, e 10 do modelo T7). Os aviões foram usados no Brasil até 1974, quando o último deles foi aposentado pela Força Aérea Brasileira.

Antes disso, em 1968, em plena ditadura militar, uma dessas aeronaves foi retirada de circulação ao completar 21 mil horas de vôo. Numa iniciativa dos militares, o avião foi colocado na então “praça La Salle”. A inauguração do monumento foi em 20 de janeiro. (Foi só em 1977 que a praça recebeu o nome de Alberto Santos Dumont.)

DSC04265 O avião da praça

O F8 Gloster Meteor nos dias de hoje, no meio da praça em Canoas

Mas e o preço? Bem… Segundo a Conab, o preço mínimo de referência de uma tonelada de algodão hoje no Brasil é de R$ 2.973,30. Se o Brasil pagou 15 mil toneladas de algodão por 70 aviões, cada aeronave em valores atuais custou R$ 637.135,71.

Ah, por último uma recomendação importante: ao passar de carro em frente à Praça do Avião não desvie o olhar para ver o monumento. Mantenha o olho no carro da frente, para seu próprio bem. Aquele exato ponto da BR 116 está em quarto lugar no ranking nacional dos locais com maior número de acidentes de trânsito.

  • Um agradecimento à colega jornalista Nuria Saldanha, pela ajuda com a pesquisa sobre os preços do algodão
10 comentários

A calvície e a família da mãe

Gente, Natureza

393382 5670 A calvície e a família da mãe

A culpa é da sua mãe, mas seu pai é cúmplice

Com a calvície espalhada por todos os lados da minha família, fica difícil saber a origem do problema que começa a afetar a mim e a outros parentes da mesma geração. De qualquer forma, sempre fiquei intrigado com a afirmação de que a queda de cabelas era uma herança genética da família materna.

Para saber se isso é verdade, vamos aos fatos e à pesquisa:

A cobertura capilar diminui pela ação de uma substância chamada DHT, que se forma a partir do hormônio testosterona. É certo que essa química interna é determinada pelo DNA da pessoa. Um dos gatilhos está no cromossomo X, que o homem herda da mãe (já que o pai participa com o Y).

Por outro lado, cientistas descobriram recentemente que o cromossomo 20 também carrega comandos genéticos que desencadeiam uma maior produção de DHT. E desse tal cromossomo 20 nós temos duas cópias, uma herdada da mãe e outra do pai. Abre-se portanto a possibilidade de que os genes herdados da mãe não sejam os únicos responsáveis pela calvície.

Os cientistas alertam que a descoberta não implica, no momento, em uma cura da calvície masculina, mas oferece excelente possibilidade no futuro.

Existe uma pesquisa feita nos EUA, em 2004, que dá uma resposta bem clara para essa questão da hereditariedade. Ela foi realizada pelo departamento de epidemiologia da indústria farmacêutica Merck, e diz o seguinte:

Nossos resultados sugerem que a probabilidade de queda de cabelo nos homens depende do histórico familiar e da idade. A calvície do pai de um determinado homem também tem um papel importante ao aumentar o risco de queda de cabelo deste indivíduo, seja em conjunção com um histórico de perda de cabelo da mãe ou a queda de cabelo do avô materno.

Em resumo: se você é careca a responsabilidade é dos genes da sua mãe ou do seu avô materno. Mas a calvície do seu pai também tem culpa no cartório.

2 comentários

Guindastes e arranha-céus de Dubai

Mundo
cranes Guindastes e arranha céus de Dubai

Alguns dos cerca de 1000 guindastes de Dubai

O colega Cristiano Dalcin escreveu um post em que convocou a assessoria investigativa do Tadeu Schmidt, com seu quadro Detetive Virtual, do Fantástico.

Dei um tempo para o Schmidt aparecer, mas pelo jeito ele não se interessou pelos questionamentos sobre as fotos dos arranha-céus de Dubai, nos Emirados Árabes. Este blog não tem a intenção de competir com o Fantástico, até porque a ideia deles nem é tão nova assim (vide Hoax Slayer) e também porque o Tadeu tem equipe e pode consultar especialistas fora pessoalmente. Aqui neste blog não há equipe e não há pesquisa fora dos meios virtuais. De qualquer forma, tomei a questão do Dalcin e resolvi elucidá-la. Vamos ao trabalho.

Dubai realmente é um grande canteiro de obras. São prédios imensos, feitos para impressionar. Mesmo assim é impossível afirmar que 25% dos guindastes do mundo estejam nesta cidade. O especialista em números do Wall Street Journal foi investigar essa mesma questão. Carl Bialik ficou intrigado com o fato de que a tal afirmação está sendo tão difundida na mídia (com percentuais que variam de 15% a 50%).

É mais um caso de incorreções que, repetidas incontáveis vezes, acabam sendo dadas como verdades. O jornalista consultou diversas fontes, inclusive o diretor de uma fornecedora de guindastes que atende o Oriente Médio e levantou alguns pontos interessantes:

  • A maioria dos artigos fala da operação dos “guindastes de torres” em Dubai, que segundo o empresário poderia ficar em torno de 800 a 1000 equipamentos instalados.
  • Ninguém sabe quantos desses guindastes existem no mundo. Pode haver 100.000 ou até 150.000. Portanto, Dubai não poderia ter mais do que 1% dos guindastes do planeta.
  • Por outro lado, ao delimitar as estatísticas aos guidastes gigantes, necessários para os arranha-céus, pode-se sim chegar a um cálculo de 15% a 25% para Dubai.

Como eu escrevi antes, qualquer projeção não passa de chute. A revista Cranes Today, especializada no setor de guindastes, lembra que mesmo que existam 1000 guindastes de torres em operação em Dubai isso ainda não chega nem perto dos 1500 instalados no Reino Unido. Ah, e sem falar nos que operam no vasto território dos EUA, ou ainda na China, onde não há poucos números oficiais sobre a intensa indústria da construção civil.

Um executivo da empresa Liebherr, uma das maiores do ramo de maquinário para construção, disse à ENR (publicação especializada em engenharia), que a estatística é mito e não passa de uma jogada de marketing promovida por Dubai.

Rechaçada a afirmativa de que Dubai tem um quarto dos guindastes do planeta, vamos às fotos.

dub1 313x470 Guindastes e arranha céus de Dubai

Burj Dubai é uma realidade. Não é obra de Photoshop!

Esta primeira é do Burj Dubai, edifício que está em fase final de construção e terá 818 metros de altura. Será a estrutura mais alta do planeta. Para quem duvidar da existência dele, há incontáveis vídeos no Youtube mostrando a obra (que também aparece nas fotos de satélite do Google Maps). Se a foto que o Dalcin recebeu é de verdade ou não, difícil dizer. Mas tudo indica que sim. Ela foi retirada do site oficial do projeto. Por que alguém iria forjar a imagem de algo que existe e pode ser facilmente fotografado?

dub2 Guindastes e arranha céus de Dubai

Vista do alto do Burj Dubai

Já esta segunda foto também é real. Ela mostra outros arranha-céus de Dubai envoltos pela névoa ao amanhecer. A foto que o Dalcin recebeu é apenas a primeira de uma série de belíssimas imagens publicadas, ainda no ano de 2006, por um site de arquitetura e uma página russa de variedades. Vale a pena clicar em um desses dois links para ver as fotos tiradas do topo do Burj Dubai (que ainda não era tão mais alto que os outros prédios).

dub4 Guindastes e arranha céus de Dubai

Dubai vista do alto, usando o Google Earth

Se você for ao Google Earth, acionar a visão de construções em 3D, posicionar a tela sobre o ponto onde está o Burj e mirar no horizonte, terá uma visão semelhante à foto, só que sem a neblina. (Arquivo KMZ)

Já a última foto do email recebido pelo Cristiano Dalcin, não tem mistério. Existe sim uma curvatura na imagem…

dub3 Guindastes e arranha céus de Dubai

Topo do Burj Dubai fotografado com uma grande angular

… mas a tal curvatura no horizonte não está lá porque o prédio é tão alto que possibilita observar a redondice do nosso planeta. A curvatura é o simples efeito de uma lente grande angular, que permite uma foto com maior amplitude. O horizonte está curvado da mesma maneira que está curvada a praia e a plataforma perto dos pés do fotógrafo.

9 comentários

O tradutor de Lula

Gente

Provavelmente você assistiu à cena abaixo, pela TV, há cerca de duas semanas. Obama encontra Lula na reunião do G20 e diz: “That’s my man. He’s the most popular politician on earth.”

Repare que Barack Obama encerra a cena fazendo uma brincadeira: “É porque ele é boa pinta!”

Mas você percebeu para quem o presidente dos EUA dirige a frase? É para um cara de barba, que poucos segundos antes havia corrido para ajudar Lula, assim que ficou claro que ele teria que bater um papo com o norte-americano. E quem é que dá esse auxílio providencial (e que não é cumprimentado Timothy Geithner e Kevin Rudd, que estão em volta)?

O nome dele é Sérgio Xavier Ferreira, um tradutor profissional carioca de 59 anos. É Ferreira quem torna possível o diálogo do nosso presidente-ex-torneiro-mecânico com os principais líderes do planeta.

Dias atrás passei algum tempo absorto, pensando: Que trabalho interessante! Que tarefa única este profissional tem. Quantas conversas secretíssimas ele já testemunhou e mediou!

E ainda há o fato de que ele acaba entrando em lugares onde apenas o presidente Lula entra. Nenhum assessor, nenhum outro funcionário do governo tem acesso a tantos recintos, durante as viagens internacionais.

Sérgio Ferreira pode ser uma figura discreta, mas não é transparente. Ele aparece em algumas das principais fotos das visitas oficiais de Lula ao exterior. Veja nas fotos abaixo:

obama silva resized O tradutor de Lula

Olha aí o Sérgio Ferreira dando um passeio na Casa Branca

Não faltam oportunidades em que o presidente precisa de ajuda. Oportunidades em que Sérgio Ferreira é o intermediário entre Lula e gente muito importante.

sergio O tradutor de Lula

Ferreira na Casa Branca, com Obama e Bush, e em visita à rainha da Holanda

Um profissional como Sérgio Ferreira deve ter muitas histórias para contar. Mas ao que tudo indica, ele não as conta. Não encontrei nenhuma entrevista dele publicada na internet. Está aí uma matéria que eu gostaria de fazer.

No entanto, muitos jornais e revistas já se dedicaram a detalhar um pouco mais quem é esse sujeito que aparece em tantas fotos.

O Estado de S. Paulo conta que o tradutor acompanha Lula há 17 anos. Antes da eleição em 2002, chegou a prestar o serviço gratuitamente. Hoje Ferreira é convocado principalmente quando o presidente, que fala apenas português, precisa dar (e também receber) o recado em inglês. O Estadão informa ainda:

Desde 2005, Ferreira acompanha parte das viagens internacionais de Lula como “convidado especial” da comitiva. Nos dois primeiros anos do governo, atuou como assessor especial da Presidência, mas desligou-se do posto. Desde então, passou a ser contratado pelo Cerimonial do Itamaraty, por meio da Global Multilingue, um escritório de intérpretes sediado no Rio. (…) Discreto, o intérprete é visto no Planalto como uma espécie de confessor – nem mesmo os assessores de Lula extraem trechos das conversas privadas que o presidente mantém com outros líderes.

Outro desafio é conseguir traduzir o discurso informal e improvisado do presidente. Quando ele dispara o habitual “companheiro”, o tradutor pode passar rapidamente do “colleague” para o “brother”.

Sérgio Ferreira também acaba salvando Lula de algumas confusões, como relatou a revista Isto É Dinheiro, em 2006:

O presidente Lula, apesar de boquirroto no cotidiano brasileiro, é extremamente formal quando está com outros chefes de estado. Mesmo assim, não perde chance para esgrimir seu vocabulário popular. O intérprete oficial da presidência, Sérgio Xavier Ferreira, que acompanhou Lula em reuniões com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e com a rainha da Inglaterra, Elizabeth II, já revelou que é surpreendido por menções às “quebradeiras de coco de babaçu” e outros termos típicos do Brasil, de tradução complexa. Mas isso não é nada se comparado a uma gafe que o presidente cometeu em 2003, em uma viajem à Namíbia, na África. Durante o discurso, Lula soltou uma frase infeliz. “Quem chega a Windhoek não parece que está em um país africano. Poucas cidades do mundo são tão limpas, tão bonitas arquitetonicamente e tem um povo tão extraordinário como tem essa cidade”, referiu-se Lula à capital da Namíbia. Ao traduzir para o inglês, Xavier omitiu a palavra “limpa” e pulou para o comentário sobre a beleza da cidade, evitando a ofensa ao continente africano.

Sérgio Xavier Ferreira é a tecla SAP de Lula.

15 comentários

Uma ponte tão larga quanto longa

Mundo
europa 101 Uma ponte tão larga quanto longa

Avril, a guia

Em dezembro de 2008 estive em Dublin, capital da Irlanda. Uma das coisas que fiz para conhecer a cidade melhor, foi me juntar a um “tour a pé”:  um bando de turistas com frio caminhando pelos principais pontos turísticos, com uma guia local.

Uma das coisas que a Srta. Avril disse e que mais me deixou curioso foi um detalhe sobre a ponte O’Connell, que cruza o rio Liffey e que é uma das principais vias da cidade. Gabou-se Avril: “Esta ponte é a única do mundo que tem mais comprimento do que extensão”. Na hora realmente ela parecia estar certa. Com suas oito pistas de rolamento, e mais três largas calçadas de pedestres, a afirmação fazia sentido.

Mas vamos ao trabalho! Será que a srta. Avril estava mesmo certa?

Em termos de medição, o Google Earth mostra que ela deu uma informação correta:

oconnell Uma ponte tão larga quanto longa

Dublin: ponte O

Mas e quanto à afirmação de que a ponte é a única do mundo com estas características?

Alguns sites (e até mesmo a Wikipedia) são menos ambiciosos e dizem que a O’Connell é a única da Europa com comprimento maior que a extensão. Mas será mesmo? Vamos procurar…

Por onde começar? Quem sabe pela cidade que é famosa por suas pontes e canais: Amsterdam! E olha que não foi difícil por lá achar uma dúzia de pontes mais largas do que longas. Que tal esta?

amsterdam01 Uma ponte tão larga quanto longa

Amsterdam: cruzamento das ruas Leidseplein e Leidsekade

Ficou em dúvida? Então olha essa… (Não precisa nem usar a régua!)

amsterdam02 Uma ponte tão larga quanto longa

Amsterdam: Koningsplein

Mas o melhor vem agora. Será que pontes mais largas do que compridas são exclusividade da arquitetura europeia? Claro que não! Nem é preciso ir longe para encontrar uma assim. Até o Rio Grande do Sul tem. Basta dar uma olhada nos arredores da PUC aqui de Porto Alegre.

ipiranga Uma ponte tão larga quanto longa

Porto Alegre: Ipiranga com Cristiano Fischer

Portanto, eu tenho que dizer, Srta. Avril: “Unfortunatelly, you were WRONG.”

3 comentários

A perna mecânica de Roberto Carlos

Gente

roberto A perna mecânica de Roberto CarlosNo início do mês o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro confirmou uma decisão anterior e manteve a proibição de que seja editado e vendido o livro “Roberto Carlos em Detalhes“, de Paulo Cesar de Araújo.

O lançamento da obra havia sido feito em 2006. Araújo passou 16 anos pesquisando a vida do “rei”. Entrevistou 200 pessoas.

Mas a biografia não-autorizada deixou Roberto Carlos irritado. Ele entrou com processo na justiça alegando que o livro invadia sua privacidade. O cantor tem motivos para pensar assim.

Só que Roberto, assim como a maioria dos artistas, ignora o poder de difusão da internet. O material está proibido nas livrarias, mas uma versão em PDF pode facilmente ser encontrada em redes de compartilhamento de arquivos.

O livro, como o próprio título já diz, é rico em detalhes.  Um dos episódios narrados com riqueza é o de 29 de junho de 1947, dia de São Pedro. Aos seis anos de idade, na cidade natal de Cachoeiro de Itapemirim, interior do Espírito Santo, Roberto Carlos tinha a perna direita dilacerada pelas rodas de um trem em movimento.

Leia um trecho do que conta Paulo César de Araújo em seu livro proibido:

0000102 A perna mecânica de Roberto Carlos

Roberto Carlos

Naquele dia, Cachoeiro amanheceu sorrindo e em festa para saudar o seu santo padroeiro que, segundo a Igreja Católica, foi morto e crucificado nessa data em Roma, durante o reinado do imperador Nero, no ano 65 d. C. Era feriado na cidade, dia de desfiles, músicas, bandeiras, discursos, ruas cheias de gente e muita alegria. (…)

Como tantas outras crianças da cidade, naquele dia Roberto Carlos saiu cedo e animado de casa para assistir aos festejos. Era tanta badalação que muitos pais preparavam roupa nova para os filhos estrearem justamente nesse dia. Por isso Zunga (como Roberto era chamado na infância) estava ainda mais contente, porque iria desfilar com os sapatinhos novos que ganhara na véspera. E qual criança não fica feliz ao ganhar uma roupinha ou um novo par de sapatos? Logo que saiu à porta de casa, Roberto Carlos se encontrou com sua amiga Eunice Solino, uma menina da sua idade, que ele carinhosamente chamava de Fifinha. (…)

Pois naquela manhã os dois desceram mais uma vez juntos em direção ao local dos desfiles. Ao chegarem num largo, logo abaixo da rua em que moravam, já encontraram todos em plena euforia. Desfiles escolares, balizas e muitos balões coloriam o céu do pequeno Cachoeiro, ao mesmo tempo em que locomotivas se movimentavam para lá e para cá. Construída na época dos barões do café, no século XIX, quando a cidade era um paradouro de trem de carga, a Estrada de Ferro Leopoldina Railways atravessava Cachoeiro de ponta a ponta.

Por volta de nove e meia da manhã, Zunga e Fifinha pararam numa beirada entre a rua e a linha férrea para ver o desfile de um grupo escolar. Enquanto isso, atrás deles, uma velha locomotiva a vapor, conduzida pelo maquinista Walter Sabino, começou a fazer uma manobra relativamente lenta para pegar o outro trilho e seguir viagem. Uma das professoras que acompanhava os alunos no desfile temeu pela segurança daquelas duas crianças próximas do trem em movimento e gritou para elas saírem dali. Mas, ao mesmo tempo em que gritou, a professora avançou e puxou pelo braço a menina, que caiu sobre a calçada. Roberto Carlos se assustou com aquele gesto brusco de alguém que ele não conhecia, recuou, tropeçou e caiu na linha férrea segundos antes de a locomotiva passar. A professora ainda gritou desesperadamente para o maquinista parar o trem, mas não houve tempo. A locomotiva avançou por cima do garoto que ficou preso embaixo do vagão, tendo sua perninha direita imprensada sob as pesadas rodas de metal. E assim, na tentativa de evitar a tragédia com duas crianças, aquela professora acabou provocando o acidente com uma delas.

Diante da gritaria e do corre-corre, o maquinista Walter Sabino freou o trem, evitando consequências ainda mais graves para o menino, que, apesar da pouca idade, teve sangue-frio bastante para segurar uma alça do limpa-trilhos que lhe salvou a vida. Uma pequena multidão logo se aglomerou em volta do local e, enquanto uns foram buscar um macaco para levantar a locomotiva, outros entravam debaixo do vagão para suspender o tirante do freio que se apoiava sobre o peito da criança. Com muita dificuldade, ela foi retirada de debaixo da pesada máquina carregada de minério de ferro. “Eu estava ali deitado, me esvaindo em sangue”, recordaria Roberto Carlos anos depois numa entrevista. Mas naquele momento alguém atravessou apressado a multidão barulhenta e tomou as providências necessárias. “Será uma loucura esperarmos a ambulância”, gritou Renato Spíndola e Castro, um rapaz moreno e forte, que trabalhava no Banco de Crédito Real.

Providencialmente, Renato tirou seu paletó de linho branco e com ele deu um garrote na perna ferida do garoto, estancando a hemorragia. “Até hoje me lembro do sangue empapando aquele paletó. E só então percebi a extensão do meu desastre”, afirma Roberto, que desmaiou instantes após ser socorrido. Esse momento trágico de sua vida ele iria registrar anos depois no verso de sua canção O Divã, quando diz: “Relembro bem a festa, o apito/ e na multidão um grito/ o sangue no linho branco…”, numa referência à cor do paletó que Renato Spíndola usava no momento em que o socorreu. (…)

Naquela mesma manhã, no hospital da Santa Casa, o médico aplicou uma anestesia local de novocaína no acidentado e deu início à cirurgia. (…)

Na época, em casos semelhantes, era comum fazer a amputação da perna acima do joelho, prática mais rápida e segura. Mas Romildo tinha acabado de ler um estudo americano sobre ciência médica que explicava que os membros acidentados devem ser cortados o mínimo possível. Assim, a amputação da perna do garoto foi feita entre o terço médio e o superior da canela – apenas um pouco acima de onde a roda de metal passou. Essa providência fez com que Roberto Carlos não perdesse os movimentos do joelho direito e pudesse andar com mais desenvoltura.

196 comentários
« Older Posts